A ALCA E EU

Cá estava trabalhando depois do meu terceiro final de semana consecutivo. Era um dia comum de semana. Até que, depois do almoço, decidi ir no Promocenter. Um mercado de coreanos iguais, com sotaques iguais, vendendo coisas iguais, com preços iguais.

Na volta, comecei a notar uma movimentação estranha. Muitos punks com camisas escondendo o rosto, bandeiras vermelhas, pessoas gritando. Era uma manifestação contra a ALCA, que eu nem sabia o que significava.

Os punks estavam com suas correntes girando, outros manifestantes gritavam palavras de ordem escritas em faixas, cartolinas e afins. Eu fiquei na minha e tratei de ir embora.

Àquela altura, eu já gritava “Abaixo a ALCA!”, “Diga não à ALCA” e pensava: “Odeio a ALCA e quando descobrir o que significa, vou odiar ainda mais!”.

Pois bem. Quando estava saindo da confusão, chega o batalhão da polícia de choque com sua delicadeza típica. E começa a atirar pra cima e todo mundo pula no chão.

Lá estava eu deitado na calçada, pensando: “What in the hell is going on?”. A polícia bate nos punks e os punks batem na polícia. Punk que é punk afoga a mãe no tanque.

De repente, ouve-se uma explosão. Pronto. Eram bombas de gás lacrimogêneo. Coloquei o nariz dentro da camisa e quando comecei a levantar para sair correndo, um policial grita: “Deita aí, alemão!”. Tomei uma cacetada nas costas e caí. Foi o suficiente para eu começar a chorar, sob efeito da bomba.

O problema do gás lacrimogêneo é que depois você não consegue parar de chorar. A confusão foi controlada, mas o efeito da bomba foi maior em mim. Em mim a revolução não acabara.

Meus glóbulos gritavam. Meu coração batia suas correntes de sangue. Minha garganta era um nó cego. Meu peito era uma bomba que não explodia. E eu ainda não consigo parar de chorar.

Matheus Tapioca

carinha_farinha

Ilustração: Michel Neuhaus
Toda segunda uma nova crônica. Acompanhe.

Matheus Tapioca

Tags: , , , ,

7 Respostas to “A ALCA E EU”

  1. carina Says:

    putz! aconteceu isso mesmo? que filhos da puta! polícia é foda mesmo. tenho nojo. é pra chorar mesmo, amigo farináceo. bonito o fechamento. ;)

  2. David Says:

    Porra, Matheus! Pelo menos vê se toma cacetada em passeata contra o PSDB da próxima vez! Porra!!!

  3. larissa Says:

    tudo culpa da porra da ALCA.
    sacanagem da porra!

  4. MusaNorminha Says:

    Você sabe porque apanhou né? é que você sendo uma pessoa desprovida de cabelo foi logo confundido com punks!! você tem que começar a andar com uma peruca no bolso pra situações como estas entendeu?kkkkkkkkkkkk
    Beijos!!

  5. Mali Says:

    Que emoção!!!

    Que emoção sem graça…
    Cheia de choro e sensação ruim!

    Mas o texto ficou ótimo!! Adorei!
    Um beijo

  6. Daniel Bezerra Says:

    Bom poder beber dessa mandioca literária numa noite de nenhum sono. Como bem diz um camarada meu, na próxima vez, “keep walking”! Sempre sigo os conselhos dessa cabra. A mente agradece, já o fígado…
    Abraço

  7. Mary Bortolotto Says:

    Cara. muito bom…Tô rindo até agora imaginando essa situação….rs
    Bjoks

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: