O VELHO E A RAVE

O velho decidiu ir a uma Rave de três dias na Serra do Cipó (MG), chamada Earth Dance. O velho fez sua mochila com cachecol, gorro, luva, ceroula, lanterna, Band Aid, Aspirina, Tylenol, Fenergan, Voltarem, barraca para duas pessoas, sleeping bag, pára-quedas e a felicidade na cara porque era a sua primeira Rave.

O velho chegou à Rave às seis da manhã. Havia um camping gigante com mil e quinhentas barracas. Mais acima estava a mega pista de dança com milhares de pessoas dançando, gritando, pulando, dormindo, namorando, cheirando, fumando, engolindo, com piercings em todos os buracos da cara.

À esquerda estava o ti lout com dezenas de pufs, onde centenas de pessoas dormiam, umas sobre as outras e um DJ tocando (pra quem?).  Além disso, havia uma cachoeira maravilhosa de 100m de altura. Tudo isso no mesmo lugar, no meio do mato, dentro de Minas Gerais.

O velho se achou ainda mais velho perto daqueles adolescentes de no máximo dezoito anos. O velho se tocou que não tinha mais idade para aquilo. O velho se isolou e descobriu que aquilo era o parque de diversões dos adolescentes de hoje. Mas o velho pensou: “Quer dizer que o Sr. está num Parque de Diversões? Muito bem. Então, divirta-se!”.

O velho dançou três dias e duas noites sem parar. O velho deu uma de pai para cima das crianças que não tomavam água. O velho teve uma alergia que ficou todo empolado e precisou tomar duas pílulas de Fenergan.

O velho viu gente comendo fogo, mulher virando pedra e pedra virando mulher. O velho ouviu pessoas falando no seu ouvido. O velho viu as plantas dançando. O velho viu uma velha de peito de fora. O velho viu a vulva da vovó.

Na volta para casa, com a mesma roupa que foi, o velho não conseguia andar. Foi parar no Pronto Socorro. Mostrou o pé esquerdo ao médico, que gritou: “Marcos. Corre aqui, pega a cadeira de rodas e leva este rapaz agora para fazer um Raio-X.”.

Resultado: gôta. Excesso de ácido úrico no sangue. Depois de passar três dias dançando e três horas no hospital, tomando medicação na veia, tirando sangue, andando de cadeira de rodas para cima e para baixo, o velho tem o seguinte diálogo com o médico de plantão:

– É surpreendente, mas você tem gôta.

– Mas o que há de surpreendente nisso, doutor?

– Isso é doença de velho.

Matheus Tapioca

carinha_farinha

Toda segunda uma nova crônica. Acompanhe.

Matheus Tapioca

Tags: , , , , , , ,

9 Respostas to “O VELHO E A RAVE”

  1. carina Says:

    hahahahahahhahahah que velho danado!

  2. mariana_g Says:

    desconfiando que o velhinho sapeca é você. safadeeenho!

  3. Coca Says:

    Muito bom! Cade a ilustra do Michel? Acabei de cobrar ele… hehehe
    Abraço!

  4. boi Says:

    Hahahah agradece ao véi pela prosa e nois si vê lá nu ti laundi (ou ti lound ou o quê foi mesmo que vc escreveu hahahaha)

  5. Kamila Says:

    Gostei muito! sempre as melhores crônicas das segundas…

  6. jorge jr. Says:

    muito boa!
    mas me diga uma coisa: “ti lout” é uma recriação tapioquiana de “chill out”?

  7. mulhernapolicia Says:

    Toda segunda?
    Então tá combinado!

  8. Mali Says:

    A D O R E I ovelhoviuavulvadavovó!
    Um super beijo

  9. Marcio Funghi de Salles Barbosa Says:

    Os ‘velhos’ que ficam jóvens quando se observa a sua competência diante da adaptação, tem apenas idade, nunca a burrice do estar perdido.
    Se é o ‘tuchistum’ quem manda, podemos não gostar, podemos odiar, mas não podemos ser indiferentes.
    ‘Velho’ é quem já morreu e esqueceu de evoluir.
    Abraços.
    Márcio
    http://recantodasletras.uol.com.br/autores/drmarciofunghi.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: